Acampamento Opus Solis

A Busca

Uma parte, imutável, invisível

Sendo, antes de si mesma, passou a Ser.

Como orvalho uma rainha tripla

Brilhou como o vazio descoberto:

O silêncio da altura profunda foi desenhado

Um véu através do amanhecer de prata

Nas asas sagradas que pairavam.

A música de três pensamentos se tornou

A beleza, que é uma chama branca,

A justiça que supera a vergonha

A vitória, o esplendor,

A fonte sagrada que é girada

Das profundezas além daquele mundo mais antigo

Um mundo novo para engendrar.

O reino é estendido. Noite

Habita, e eu contemplo a visão

Isso não está vendo, mas a luz

Isso secretamente é acessa.

Embora muitas vezes seu fogo mais sagrado

Carece de óleo, quando meu próprio desejo Deseja

Antes que o desejo tenha diminuído.

Eu vejo a teia fina me ligando

Com treze cordões de unidade

Para o centro calmo do mar.

( Ó Mãe Superna!)

A luz tripla meu caminho divide

Para dois e cinquenta lados repentinos

Cada um perfeito como o outro.

Agora para trás, para dentro ainda a minha mente

Deve rastrear o intangível cego,

E procurando, encontrará seguramente

Escondido em lugares secretos

Festas frescas para toda alma que se esforça,

Nova vida para muitas vidas místicas,

E estranhas novas formas e rostos.

Minha mente ainda procura e alcança

Por muitos dias e muitas dores

Àquilo que é e foi e reina

Sombreado em quatro e dez,

E perde-se em terras sagradas

E chora e acelera,

E entende

Além do primeiro Amém.

Autor: Aleister Crowley